sexta-feira, junho 02, 2006

Timor - Portugal - Austrália


Chegou hoje a Portugal uma comitiva de Camberra, que pretendia que as forças portuguesas que irão para Timor ficassem sobre a tutela do comando australiano. Ao que pude saber, esta comitiva de aussies não comunicou a sua vinda a Lisboa com antecedência, tendo o MNE português ficado a saber da sua chegada num espaço de tempo inferior a 24 horas. Portugal recusou veementemente a “proposta” australiana, confiando a chefia das forças nacionais ao poder político timorense, sendo que o comando operacional será feito pelas cadeias hierárquicas do contingente português.
O comportamento do Executivo australiano, desde o início do conflito, faz-me pensar nas suas reais intenções.
Em poucos dias deslocou 1500 homens e mantimentos. Dias depois da chegada do contingente australiano, o Primeiro-Ministro John Howard disse que Timor era mal governado – ao contrário do que foi veiculado pela ONU. Agora pretendia tutelar todas as forças estrangeiras no teatro de operações, visto os malaios já estarem sob a sua direcção.
Freitas do Amaral, ministro que critiquei aquando da sua ida para o governo, tem sido atacado pela comunicação social por episódios irrelevantes e sem contornos censuráveis. No que é respeitante à presente crise timorense, parece-me estar a seguir o caminho adequado e a tomar as posições que se pretendem de um MNE português. Espera-se que nos próximos tempos a diplomacia nacional continue neste rumo.

2 comentários:

Luís Saraiva disse...

Parabéns a este blog da nossa Lusíada que só agora descobri. Sou um ex-aluno de R.I. que agora se dedica a aplicar os conhecimentos em Bruxelas.
Concordo, na generalidade, com esta v. abordagem da questão de Timor.
Espero que continuem, com esse entusiasmo.
Luis

D.Noivo disse...

Obrigado pelo apoio Luis!
Comenta sempre que puderes, de forma a que tenhamos feedback suficiente para continuar.
Um abraço