terça-feira, setembro 26, 2006

Sobre tolerâncias...

José Pacheco Pereira remete, no blog ABRUPTO, para a leitura deste artigo de opinião do washington post a propósito de tolerâncias. Achei genial!
Digam de vossa justiça

http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/article/2006/09/21/AR2006092101513.html

2 comentários:

Tiago Lemos disse...

Vou-me arriscar a ter manifestações à minha porta, bonecos com a minha cara queimados, a ter de vir a publico pedir desculpas expressas ao mundo islâmico, ou até arriscar-me a ser condenado à morte, mas cá vai. Algumas "hadiths" – tradições islâmicas relativas às acções e elocuções do Profeta Maomé:

. “Um dia e uma noite de combate é melhor do que um mês de jejum e oração”

. “A ferroada de uma formiga magoa mais um mártir do que a estocada de uma arma, pois estas são mais agradáveis para ele do que a água doce e fresca num dia quente de verão”

. “Aquele que morre sem ter tomado parte numa campanha morre como se fosse um descrente”

. “Aprendam a disparar, pois o espaço entre o alvo e o arqueiro é um dos jardins do paraíso”

. “O paraíso está na sombra das espadas”

Parece-me que estas tradições continuam a ser seguidas, na íntegra, por muitos muçulmanos. Ou será que estou enganado? Contudo, outras tradições oriundas da palavra do Profeta, não são cumpridas por aqueles que cumprem integralmente as anteriormente referidas:

. “Tenham o cuidado de tratar bem os prisioneiros”
(Claro que sim! Os jornalistas, funcionários da ONU, diplomatas, operários, agentes de segurança, militares…que acabaram a vida com a cabeça separada do corpo, são o exemplo claro do cumprimento desta tradição! Não acham?)

. “Deus proibiu que se matem mulheres e crianças”
(Obviamente! A freira italiana de 65 anos e uma mulher somali, assassinadas em Mogadíscio um dia depois de um líder islâmico somali ter apelado aos muçulmanos para “se vingarem” das declarações do Papa Bento XVI sobre o Islão. Que tal?)

Pergunto-me porque é que não houve reacções do mundo muçulmano acerca destas palavras do Papa: …"são muitos os cristãos que vivem com humildade e silêncio ao serviço do amor e da paz, ou seja, do Senhor, e alguns dando inclusive a vida, derramando o sangue, como ocorreu com a irmã Leonella, vítima da violência, assassinada em Mogadíscio. Esta freira, que servia aos pobres na Somália há anos, morreu pronunciando a palavra perdão. Esse é o autêntico testemunho cristão, sinal pacífico de contradições que demonstra a vitória do amor sobre o ódio e sobre o mal", afirmou o papa.
Tolerância?
Tiago Lemos

D.Noivo disse...

É isso mesmo Tiago!
Tal como quando comparados a outras ideologias totalitárias (como a comunista), o que nos separa do radicalismo islamico são os valores de tolerância e liberdade. Agora, face a uma ameaça que joga com regras diferentes e com ataques de tamanha brutalidade, se calhar está na altura do establishment europeu perceber que temos que "deixar cair" alguns "direitos adquiridos" para garantir a nossa segurança, ainda para mais se tivermos em atenção que a perda desses "direitos adquiridos" em nada atenta contra a nossa liberdade e modus vivendi.

PS - Porque é que ainda não és blogger deste blog???