quinta-feira, novembro 30, 2006

PortugalMUN 2006


O Centro Interdisciplinar de Pesquisa em Relações Internacionais de Coimbra (CIPRIC) informa que, entre os dias 18 e 21 de Dezembro do presente ano, vai organizar na mais antiga Universidade do país a edição 2006 da Conferência Portugal Model United Nations (MUN).
Todas as informações disponíveis sobre este evento podem ser encontradas aqui.
A nossa Universidade tem sido a melhor classificada das últimas duas edições e o CEPRI espera que este seja outro ano memorável, por isso convida todos os seus membros e outros alunos da Lusíada a participarem!

segunda-feira, novembro 27, 2006

A Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento e o Instituto Português de Relações Internacionais-UNL têm o gosto de convidar todos os interessados para a palestra intitulada:

África e os Desafios do Século XXI

a proferir por

S.E. Alpha O. Konaré

Presidente da Comissão da União Africana

que será apresentado por Manuela Franco, Grupo África (IPRI-UNL), no auditório da FLAD, quarta-feira, dia 6 de Dezembro de 2006, às 16 horas.

terça-feira, novembro 21, 2006

Simulação da Assembleia da República 2007




O CEPRI têm o prazer de anunciar a realização da Simulação da Assembleia da República a ter lugar na Universidade Lusíada no dia 11/01/07.
As inscrições estão abertas para todos os alunos universitários do país.
Contamos com a sua participação.
Todas as informações em: http://sarul07.blogspot.com/

“A Assembleia da República é a assembleia representativa de todos os cidadãos portugueses”. Daí a importância de incentivar a simulação deste exemplo máximo da cidadania que é a função de Deputado. A SAR (simulação da Assembleia da República) pretende ajudar a despertar o interesse pela participação política activa e pelo estudo e debate das temáticas fundamentais que preocupam o cidadão e são importantes para o futuro do país, valorizando assim a própia democracia.

sábado, novembro 18, 2006

XVI Jornadas de Relações Internacionais do ISCSP

De 21 a 23 de Novembro, no ISCSP, realizar-se-ão as XVI Jornadas de Relações Internacionais sob o tema "As Novas Problemáticas das Relações Internacionais", nos dias 21, 22 e 23 de Novembro.

Painel I - Sistema Petrolífero Mundial - Dia 21

Mesa: Professor Doutor Heitor Romana, ISCSP
Dr. Pedro Fonseca, ISCSP
Professor Doutor Manuel Collares Pereira, IST / ASPO
Professor Doutor Jaime Nogueira Pinto, ISCSP~

Workshop – Dr. Pedro Fonseca, ISCSP

PAINEL II - América Latina como Laboratório de Regimes Políticos - Dia 22

Mesa: Professor Doutor José Adelino Maltez, ISCSP
Professora Doutora Raquel Miranda, ISCSP
Professor Doutor Andrés Malamud, ICS
Dr. Jorge Rio Cardoso, Banco de Portugal

Workshop – Dra. Isabel David, ISCSP

PAINEL III - Choque de Civilizações - Dia 23

Mesa: Professora Doutora Maria de Fátima Amante
Dr. Nuno Ramos de Almeida, Jornalista
Sheik Munir
Dr. Joshua Ruah
Dr. Marcos Faria Ferreira, ISCSP

Workshop – Dra. Mónica Ferro



Painéis - 10h Anfiteatro 6 Piso 0 - Inscrições na A.E. até dia 20 (para quem desejar certificado)

Workshops - 14h Piso 2 - Inscrições limitadas a 15 pessoas (para o e-mail neri.iscsp@gmail.com)

domingo, novembro 12, 2006

IEP: Palestra Lord Acton - Professor George Weigel


Professor George Weigel, Senior Fellow, Ethics and Public Policy Center, Washington, D.C., Europe's Two Culture Wars, dia 17 de Novembro de 2006, 18 horas, sala a anunciar.
Palestra seguida de jantar Hotel Marriott, Lisboa (informações e inscrições até dia 15: secretariado.iep@iep.ucp.pt ou 217214129)

sexta-feira, novembro 10, 2006

Iraque


O sucessor de Al-Zarqawi no comando da célula da Al-Qaeda no Iraque, Abu al-Masri, anunciou ter 12 mil combatentes dispostos a sacrificar a vida em nome do “Estado Islâmico do Iraque”.
Na mesma gravação, divulgada hoje, al-Masri congratula-se com a derrota dos Republicanos nas eleições legislativas Norte-Americanas, afirmando que “o povo americano finalmente começou a seguir o caminho certo, compreendendo a traição do seu Presidente ao apoiar Israel”. Nada que Francisco Louçã não dissesse. Talvez pelo facto do radicalismo islâmico ter bebido e fundamentar-se muito nas ideologias da esquerda radical europeia, as declarações de uns e outros sejam muito parecidas…
Segue as suas declarações garantindo que "estão prestes a sucumbir aos golpes dos 'mujahidin'" e " a preparar-se para fugir, porque são incapazes de continuar a lutar".
A saída de tropas da coligação do Iraque, de uma forma total e precoce, constituirá um erro crasso no desenvolvimento do Estado iraquiano e na manutenção das seguranças regional e internacional, já para não considerar que serão uma vitória inequívoca dos grupos terroristas islâmicos. Muita gente na Europa ainda não o percebeu. Desta vez, como foram os próprios terroristas a dizê-lo, talvez finalmente o entendam…

terça-feira, novembro 07, 2006

Conferência «A Catalunha, Portugal e a União Europeia»

No âmbito da Semana da Catalunha em Portugal, o IPRI-UNL e o Centro de Informação Europeia Jacques Delors convidam os alunos da nossa Universidade para assistir à conferência «A Catalunha, Portugal e a União Europeia» proferida por Joaquim Nadal, Conselheiro e Porta-Voz da Generalitat da Catalunha, que decorrerá na Mediateca do CIEJD, no dia 13 de Novembro às 18h00. A apresentação será feita pelo Dr. António Vitorino.

O que vai acontecer no Iraque em 2007?

quarta-feira, novembro 01, 2006

Estado da Arte.

Numa altura em que se reconhece a importância da educação e formação dos recursos humanos, e do nexo causal entre esta e o desenvolvimento das sociedades, decidi escrever sobre a percepção que tenho do efeito Bolonha no meu curso/universidade (Relações Internacionais/ Lusíada). Por isto peço desde já desculpa pelas generalizações abusivas.
No site da universidade de Oxford, li sobre a importância do diálogo e da conversação durante a vida académica do aluno universitário. O diálogo entre os alunos e entre estes e os professores, na perspectiva anglo-saxónica, é o factor essencial para a formação do aluno.
Em Portugal, antes de Bolonha, era o "ensino de sebenta" que reinava. Esse monólogo entediante, que realmente estimula no aluno uma grande capacidade de memorização, mas no meu entender, não o prepara para os desafios da sua área científica e da sua futura área profissional.
A revolução liberal aconteceu. Com Bolonha tentou-se aproximar o ensino ao estilo anglo-sáxonico. Mas destronado o "ditador", falta-nos uma sociedade cívil (professores e alunos) que saiba viver e assegurar este novo regime.
O que vejo (com a excepção de alguns casos) são professores que mantêm o ensino de sebenta, mas com a diferença de verem o seu tempo reduzido a unidades curriculares semestrais e por isso mandarem os alunos pesquisar e ler fora das aulas, por vezes sem oferecerem uma boa orientação bibliográfica.
A par disto vejo alunos que conservam os hábitos de estudo do secundário ou do "antigo regime" do ensino superior e por isso pouco interesse conservam em relação ao curso, em relação ao debate académico e científico, em relação a quererem trabalhar fora das aulas e alargar os seus conhecimentos sempre que possível. Tinha a esperança que Bolonha destruísse aquela mentalidade do: "dá cá o diploma e o resto que se lixe".
Existe ainda algo que Bolonha ofereceu aos professores e alunos: a orientação tutorial. Que é o mesmo que oferecer um ipod a um esquimó. O esquimó pode fazer com o ipod muitas coisas mas até conseguir ouvir música vai ter de compreender para que serve e como funciona.
Então o que trouxe Bolonha?
- Um novo sistema de avaliação, o que implica termos de entregar uns trabalhos de pesquisa em algumas unidades curriculares.
- Uma reestruturação dos cursos e uma maior facilidade na mobilidade dos alunos pelas universidades da União Europeia.
E pouco mais. Na verdade, mais importante que uma mudança estrutural, seria uma mudança de mentalidades.