sexta-feira, maio 19, 2006

O sábio Cícero


O antigo orador romano Cícero uma vez disse: "Uma idade avançada, especialmente uma considerada virtuosa, possui uma tal autoridade que é muito mais valiosa do que todos os prazeres da juventude".
Sobre isto a gerontocracia que actualmente domina a política italiana só pode dizer “Ámen”. Os últimos acontecimentos em Itália (as eleições legislativas e a posterior eleição do novo Presidente da República) tornam-se ainda mais extraordinários se temos em consideração a idade de todos os seus participantes.
Carlo Azeglio Ciampi, o Presidente cessante, concluiu agora o seu mandato com 85 anos, apesar de a maioria da população preferir que ele tivesse concorrido para um segundo mandato. Tendo-se negado a faze-lo, foi substituído pelo candidato de centro-esquerda Giorgio Napolitano, com 80 anos.
O candidato da direita para Presidente do Senado era Giulio Andreotti de 87 anos, que foi derrotado por Franco Martini de 73. Para esta derrota foi fundamental o voto de Rita Levi-Montalcini de 97 anos!
Os próprios protagonistas destas eleições já não são propriamente jovens. Apesar dos inúmeros face-lifts e transplantes de cabelo, Berlusconi dificilmente consegue esconder os seus 70 anos. Prodi não fica muito atrás, chegando aos 67 este mês.
Nestas condições não admira que os jovens prodígios da política italiana rondem os 45 a 55 anos, que corresponde à idade média das classes políticas dos demais países europeus. Mesmo tendo em consideração o perfil demográfico do país, é evidente que um regime deste tipo não pode estar mais afastado da realidade.

1 comentário:

Utilizador rejeitado disse...

Filipe:
Em grande parte é o próprio sistema político italiano, enquanto forma de organização do poder político, que privilegia este facto. A inclusão no sistema de uma capacidade natural activa e passiva nos candidatos a titulares de órgãos políticos pretende exactamente isso. Senão vejamos: a idade mínima para se candidatar à Presidência da Republica é de 50 anos. No caso do Parlamento, aos 18 anos os italianos só podem votar para a câmara dos deputados, capacidade natural activa, não podendo votar para o senado ou candidatar-se para nenhuma das duas. Aos 25 anos pode ser eleito como deputado e votar para o senado. Aos 40 anos é a idade de ser eleito para o senado. Para ajudar, o Presidente é eleito pelo Parlamento e para mandatos de 7 anos
Perante este sistema, não é perfeitamente normal que aconteça aquilo que a nós nos parece estranho?

Abraço