sábado, maio 06, 2006

Será a U.E. noiva dos E.U.A. ?

Perante o confronto civilizacional entre o mundo islâmico e as democracias liberais do ocidente, perante o crescente desenvovimento económico da China e Índia, perante um continente africano de elites políticas corruptas, perante uma Rússia de Putin autocrática, e finalmente, perante uma América do Sul que se virou à Esquerda (radical) e se une para fazer face aos EUA, não será inevitável e lógico um casamento entre duas potências que partilham valores idênticos (UE/EUA) para, então, fazer face à actual situação geopolítica?

1 comentário:

Filipe G. Zuluaga disse...

O casamento de facto já existe na forma da NATO, mas temos que reconhecer que não se encontra num dos seus melhores momentos (mas também já foi pior!). Aproveitando a analogia, pode-se dizer que nas últimas décadas a Europa tem-se tornado numa Dona de Casa Desesperada que tenta ter mais peso político enquanto que o "marido macho" americano mantém a sua preponderância. Mas na conjuntura actual é desejável que as duas partes lutem juntas e evitem as rivalidades que lhes retiram poder de actuação face aos inimigos comuns.